Cartão de crédito, maquininhas e as empresas de factoring Cartão de crédito, maquininhas e as empresas de factoring
Word 2016, Excel 2016, PowerPoint 2016, OneNote 2016, Outlook 2016, Publisher 2016, and Access 2016. http://www.cdkeypascher.com http://www.cdkeypascher.com/office-2016-3-product-key/ cheap windows 10 key http://www.productkeysale.com http://www.mmkey.net cheap windows 10 key

Artigos

  • Cartão de crédito, maquininhas e as empresas de factoring

    Com a queda da utilização dos cheques pela substituição do cartão de crédito e de débito, muita coisa mudou para as empresas de factorings. Há vinte anos haviam empresas de factoring que só compravam ‘chequinhos’. Trocar não: pois, a troca de cheques era praticamente um empréstimo e o deságio cobrado – acima de 10% – era agiotagem. Mas inegável que a compra de cheques oriundos de operações mercantis dos faturizados sempre foi um bom negócio. Diferentemente da duplicata que é criada unilateralmente pelo sacador-faturizado, o cheque já vinha com a assinatura e compromisso de devedor, emitente do cheque, nem precisa notificá-lo – como no caso da duplicata. Com a mudança do mercado, muitas factorings tiveram que se reinventar. Há 15 (quinze) anos, mais ou menos, apareceram uns americanos no meu escritório querendo montar uma factoring somente para a cobrança de recebíveis de cartão de crédito, com meu inglês macarrônico à época, desencorajei. Simples, 1) o empresário pagava caro pela maquininha de cartão de crédito; 2) se precisasse poderia antecipar o recebível junto à Instituição Financeira que forneceu a maquininha, com deságio; 3) tanto o banco como a bandeira, não permitiam desconto ou antecipação junto à terceiros, incluindo factoring. Para antecipar os recebíveis dos cartões de créditos da faturizada era necessário confiar nesta para, ao receber o crédito, repassar para a factoring. E, ainda, a empresa já pagava altos custos para operar com cartão de crédito, nem sempre sobrava – quando se nunca, gordura para ainda pagar o deságio para factoring. Atualmente, com a incrementação de crédito implementada pelo Governo, a situação é outra. Mas esse é assunto para o próximo clipping.


  • Jurisprudências

    Direito de regresso no caso de insolvência

    Agravo de instrumento n. 2004.033451-8, de Blumenau. Relator: Des. Sérgio Roberto Baasch Luz. AGRAVO DE INSTRUMENTO ¿ AÇÃO DECLARATÓRIA DE INEXISTÊNCIA DE ...

    Leia Artigo Completo