Crédito é confiança no futuro.

Atualizado: Jul 27


A humanidade esteve presa nessa encruzilhada por milhares de anos. Em consequência, as economias permaneceram congeladas. A maneira de sair da armadilha só foi descoberta na era moderna, com o surgimento de um novo sistema baseado na confiança no futuro. Nele, as pessoas concordaram em representar bens imaginários – bens que não existem no presente – com um tipo especial de dinheiro chamado ‘crédito’. O crédito nos permite construir o presente à custa do futuro. Baseia-se no pressuposto de que nossos recursos futuros serão muito mais abundantes do que nossos recursos presentes. Se pudermos construir coisas no presente usando receitas futuras, abre-se diante de nós uma série de novas oportunidades maravilhosas.


No passado, pode se dizer que as pessoas raramente queriam conceder muito crédito porque não confiavam que o futuro seria melhor do que o presente.

Se o bolo global permanecia do mesmo tamanho, não havia margem para crédito. O crédito é a diferença entre o bolo de hoje e o bolo de amanhã, um bolo que cresce.


Crédito é confiança, é construir o presente à custa do futuro.


A sociedade atual está estruturada e dependente do crédito. A expansão e a especialização crescente das atividades econômicas devem-se aos seus benéficos efeitos. O crédito importa em um ato de fé, de confiança do credor. Daí a origem etimológica da palavra – creditumcredere, assinala Requião.

            O crédito não cria riquezas, mas fomenta a criação de riquezas, injetando recursos antecipadamente nas atividades econômicas. O crédito não cria capitais, como a troca não cria as mercadorias, ‘o crédito não é mais do que a permissão para usar do capital alheio’ (Stuart Mill), “se todo o crédito constituísse verdadeiramente uma riqueza, bastaria que cada brasileiro emprestasse a sua riqueza ao vizinho para duplicar a fortuna”, alerta Waldirio Bulgarelli.

            Dito de outra forma, o crédito fomenta a produção de riquezas, “não faltam, no mundo, pessoas empreendedoras, inventoras, agricultoras e até obreiras, que sabem tirar partido dos capitais quando lhes toca a felicidade de os ter. Pois, graças ao crédito, é que os capitais chegam a passar às mãos daqueles que estão no caso de os empregar produtivamente, para maior proveito de cada um deles, e do país inteiro.

De fato, se os capitais não pudessem passar de uma pessoa a outra e se cada uma ficasse reduzida a empregar o que possui pessoalmente, andaria sem emprego enorme massa de capitais”. Enfim:

É difícil imaginarmos a vida econômica sem o crédito. Isso implicaria na obrigatoriedade de comprarmos à vista todo tipo de bem e serviço de que necessitássemos. Certamente, compraríamos muito pouco – e, do outro lado, as vendas seriam bastante reduzidas, o que restringiria a produção. Da mesma forma, o empresário teria que contar, para o desenvolvimento de suas atividades, única e exclusivamente com seus próprios recursos.


Viva o crédito!


Antonio Carlos Donini, Empresa Simples de Crédito - ESC, Editora Klarear


2 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

FINTECHS

As empresas que fazem uso da tecnologia no setor financeiro atuam como fintech, algumas delas como prestadoras de serviços de concessão de crédito como mera intermediária de instituições financeiras,

Manual do Factoring

Qualificação da empresa de factoring. A qualificação da faturizada deverá conter o nome da empresa constante no CNPJ, o número deste, sua localização (cidade, logradouro, número). Não é necessário col

Telefone: 11 3892-3242

Rua José Getúlio, 360 conj. 25

Endereço:

Aclimação, São Paulo - SP